O Tribunal do Marco de Canaveses decretou cauções de cinco mil euros para três dos detidos no âmbito da operação Fundo Falso.

Os restantes seis ficam a aguardar julgamento em liberdade e obrigados a apresentações quinzenais na GNR.

O técnico de informática que se fazia passar por contabilista fica também em liberdade, apenas com termo de identidade e residência.

Os interrogatórios começaram ontem, a meio da tarde e prolongaram-se pela madrugada, altura em que foram conhecidas as medidas de coação.

Estes empresários de Paços de Ferreira e Paredes terão lesado o Estado em milhões de euros.

São suspeitos de fraude fiscal e branqueamento de capitais.