Quem é atualmente o melhor atleta português em 3000 metros obstáculos sénior?Miguel Borges.

Miguel Borges passou recentemente para a seleção sénior portuguesa e participou na Taça da Europa das Nações, na Grécia. O atleta paredense está a provar o seu talento pelo mundo e revela-se expectante em relação ao seu futuro.

Como é que começou a surgir o gosto pelo desporto, pelo atletismo em especial?

O gosto surgiu especialmente pelo que o meu pai e a minha família me incutiram. Foram todos desportistas, já tinham todos corrido atletismo. Foi mais por um gosto familiar que comecei também no atletismo.

No início até nem gostei muito. Continuei por insistência do meu pai, que queria muito que eu fizesse desporto e praticasse atletismo por ser uma tradição de família. No início andava contrariado mas depois de quatro ou cinco anos surgiu o verdadeiro interesse pelo desporto. O trabalho começou a correr bem, passei a ganhar algumas corridas e o gosto foi surgindo.

Das provas que já realizaste quais é que mais te marcaram pela positiva?

Bem, sem dúvida que este fim de semana (20 e 21 de Junho) foi com certeza uma das mais importantes, se não a mais importante, até hoje. Apesar de ter sido a minha estreia pela seleção A – seleção sénior principal de Portugal – consegui fazer um excelente resultado que superou as minhas expectativas. Bati o meu recorde pessoal, superei a classificação para a qual estava previsto.

Qual era essa classificação?

A minha marca pessoal do ano entre os concorrentes apontava que, segundo as estatísticas, ficasse em oitavo ou nono lugar. Consegui ser quinto classificado, o que foi mesmo muito bom.

É mais desafiante agora pertencendo à seleção sénior portuguesa?

Sim, esta competição que decorreu no último fim de semana é uma competição coletiva. Corre um atleta por prova de cada pais. É o melhor atleta de cada pais que vai correr em cada prova diferente. Então estar ali ao lado de atletas como o Nélson Évora, Francis Obikwelu, Sara Moreira, Dulce Félix… É uma sensação espetacular. Estamos unidos a lutar pelo mesmo objetivo que é conquistar o máximo número de pontos possível para a seleção portuguesa para subirmos para a Super Liga. Este ano não foi possível mas conseguimos manter-nos na primeira liga, o que foi muito importante.

 

Leia a notícia completa na edição em papel de 3 de julho ou subscreva a assinatura digital no nosso site.