No espaço de três dias, dois cadáveres foram encontrados por populares em zonas ribeirinhas do concelho. Primeiro foi junto à ponte das Coutinhas, na cidade de Paredes e depois junto ao rio Ferreira, em Lordelo.

António Orlando – Texto

Se no primeiro caso tudo aponta para suicídio, no segundo as informações recolhidas apontam para um trágico acidente.

Na ordem cronológica, o primeiro “achado macabro” ocorreu no dia 13 de outubro, no rio Sousa. Ao passarem a pé na ponte das Coutinhas, duas jovens depararam-se com o corpo de um homem a boiar no rio Sousa, junto à antiga ETAR de Paredes. O corpo já se encontrava em avançado estado de decomposição. Na ocasião as autoridades a admitiram que o homem teria cerca de 60 anos. Na roupa da vítima não foi encontrado qualquer documento de identificação pessoal.

Retirado da água pelos bombeiros de Paredes, o cadáver foi, posteriormente, levado para a delegação do Instituto de Medicina Legal, em Penafiel. Aí o corpo foi identificado como sendo de Manuel Joaquim Ribeiro 45 anos, de Lordelo. A vítima sofria de perturbações mentais e estaria a ser acompanhado pela unidade de psiquiatria do Hospital Padre Américo.

A curiosidade da ocorrência nas imediações da EN15 levou dezenas de pessoas ao local obrigando a GNR a ter que intervir na circulação automóvel de modo a reduzir o congestionamento de tráfego que se instalou na estrada que liga Paredes a Penafiel.

Três dias depois, em Lordelo, um homem de 44 anos foi encontrado morto, junto à margem do rio Ferreira.

Joaquim Dias Moreira, solteiro, morador na (….)

Leia a notícia completa na edição em papel de 21 de Outubro ou subscreva a assinatura digital no nosso site.