Uma descarga poluente conspurcou, esta terça-feira, o rio Sousa.

António Orlando – texto

Os sinais de poluição começaram a ser visíveis, por exemplo, cerca das 12 horas na zona de Recarei e três horas depois o cenário era aquele que as fotos documentam: a água de tonalidade escura com vestígios de fezes à superfície era engolida por castelos de espuma nas zonas de queda.

O cheiro pestilento estendeu-se ao longo de toda a zona ribeirinha ao Sousa e provocou a natural indignação de todos aqueles que vivem enraizados no vale do Sousa.

A ocorrência foi transmitida à brigada ambiental da GNR, indicou ao Progresso de Paredes, fonte da Polícia Municipal de Paredes.

Pode ler reportagem alargada sobre este assunto na edição do Progresso de Paredes de 17 de março.