Por Cristiano Ribeiro, Médico

Falarei de dois equívocos. Durante a cerimónia pública que comemorou a Implantação da República, o 5 de Outubro, no concelho de Paredes, foram homenageados, pela Câmara Municipal de Paredes, 5 ex-deputados residentes em Paredes. Manuel Moreira, Granja da Fonseca, Maria João Fonseca, Raquel Coelho e Conceição Bessa Ruão receberam a Medalha de Ouro do Município.

“A Câmara Municipal de Paredes decidiu fazer esta homenagem a todos aqueles que, residindo em Paredes, tiveram assento como deputados na Assembleia da República, precisamente um dos pilares em que assenta a nossa democracia, neste 5 de Outubro, pela sua carga simbólica,“ explica uma nota de imprensa.

Por coincidência os nomeados são todos do PSD, o que aumenta a longa lista dos notáveis PSD’s que em Paredes já foram condecorados.

Mas quando o Presidente da Câmara fala em “representantes” do Concelho na Assembleia da República, estamos perante um equívoco, não só formal como substancial. O Concelho de Paredes, como outro qualquer concelho do País, não elege quaisquer deputados. Eles são eleitos em listas de partidos e coligações candidatas á eleição de deputados á Assembleia da República pelo Circulo Eleitoral do Porto. E mesmo muitos, senão todos os homenageados, só foram deputados por substituição de deputados, esses sim eleitos. Esta é a razão formal do equívoco.

A razão substancial do equívoco reside no facto de serem desconhecidas intervenções significativas em defesa de interesses específicos de Paredes. E ser caricato não se lembrar a inaudita passagem de Granja da Fonseca pelo (…)

Leia o resto desta Opinião na edição em papel de 21 de Outubro ou subscreva a assinatura digital no nosso site.