Publicado por António Orlando

Elias Barros teve uma saída de estrada na classificativa Ponte de Lima 1 levou-o a perder mais de 17 minutos para o vencedor da PEC. O Ford Fiesta R5 do piloto de Rebordosa, escorregou numa curva apertada e ficou preso numa pedra. Com muita dificuldade e com a ajuda do navegador Paulo Babo, Elias Barros conseguiu retomar o rali mas não evitou a queda da geral do 37º lugar para 57º e penúltimo lugar. No final das três classificativas da manhã a dupla Elias Barros/Paulo Babo caiu para o penúltimo lugar da geral  a 22m 45s do líder do rali, Jari Matti Latvala, em Toyota Yaris. Na classificativa anterior, em caminha, a dupla Barros/Babo, tinha feito um brilharete ao levar o Ford ao 37º lugar da geral na PEC Caminha 1.

Ainda assim, pior sorte teve o campeão nacional de ralis, José Pedro Fontes, e a navegadora Inês Ponte ao sofrerem um acidente grave na segunda especial do Rali de Portugal.

O acidente aconteceu logo nos primeiros metros da especial de Viana do Castelo, a primeira do dia, com o Citroen a embater, de frente, numa árvore.

O piloto foi de ambulância e navegadora foi transportada de helicóptero, ambos para o hospital de Viana do Castelo. Segundos as primeiras informações, tanto José Pedro Fontes como Inês Ponte estiveram sempre conscientes, suspeitando-se que o piloto sofreu uma fratura nas pernas, enquanto a co-piloto se queixou de dores fortes na coluna, motivo pela qual foi evacuada de helicóptero e não de ambulância.

Pedro Meireles é o melhor dos concorrentes inscritos no campeonato nacional. Tem nesta altura 3,8s de vantagem sobre Miguel Barbosa e 57,5s sobre Joaquim Alves.

Jari Matti Latvala (Toyota Yaris) terminou a primeira passagem pelas classificativas minhotas de Viana do Castelo, Caminha e Ponte de Lima no comando do Vodafone Rally de Portugal, mas com uma forte concorrência a manter-se muito perto. No troço mais longo (27,46 km) da jornada, Ponte de Lima, Kris Meeke (Citroen) foi pela primeira vez o mais rápido e fê-lo de tal maneira que reduziu a sua distância para Latvala a… 0,5 segundos. O elevado nível competitivo deste Mundial, com a chegada dos novos WRC em 2017, está a confirmar-se na prova organizada pelo Automóvel Clube de Portugal, com uma “guerra” ao décimo de segundo.

É que ao fim de 72,26 quilómetros ao cronómetro na manhã desta sexta-feira, os cinco primeiros classificados estão separados, imagine-se, por menos de 5 segundos e este equilíbrio de andamentos promete prolongar-se muito além do final da etapa…

Se a Citroen já “perdeu” – com o capotanço de Stéphane Lefebvre na primeira passagem pelo troço de Caminha – um dos seus C3, Toyota, Hyundai e Ford mantêm a sua armada em ação, começando a desenhar-se outro duelo épico pela vitória neste rali.

É que o líder Latvala não tem folga no primeiro lugar, face às “ameaças” de Meeke, Tanak e Breen, enquanto o campeão em título e líder do campeonato, Sebastien Ogier, mesmo penalizado pela sua posição na estrada (é o primeiro piloto a passar nas classificativas ao longo desta primeira etapa), não se deixa atrasar. Ocupa a quinta posição, a somente 4,8 segundos do primeiro classificado.

Na classe WRC2, Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia R5) não levanta o pé, destacando-se cada vez mais do seu colega de equipa Pontus Tidemand e de Teemu Suninen (Ford), que é agora terceiro.