Automobilismo. A prova disputou-se pela primeira vez em Gandra em detrimento de Rebordosa. O Clube TT Paredes Rota dos Móveis justifica a mudança com a falta de apoios. O que se manteve foi o caracter decisivo da prova realizada no concelho ao determinar os novos campeões nacionais da modalidade. António Henriques é um deles.

António Orlando – texto

A cidade de Gandra recebeu a sexta e última jornada do Campeonato Nacional de Trial 4×4 de 2016, tendo sido criada de raiz para o efeito, pela organização do Clube TT Paredes Rota dos Móveis, uma pista muito técnica e de dificuldade elevada. A jornada paredense realizou-se pela primeira vez na cidade de Gandra, depois de as últimas edições terem sido disputadas em Rebordosa.

A chuva que dificultou ainda mais o trabalho das 45 equipas presentes (recorde de inscritos) contribuiu para elevar o nível do espetáculo, sem impedir que os espetadores se tenham deslocado aos milhares para assistir à prova, que teve em Rui Querido o grande vencedor. Todavia, quem mais festejou foi António Henriques, que com o segundo lugar em Gandra garantiu o título de campeão absoluto de Trial 4×4 2016.

Já na classe Extreme, António Calçada venceu pela primeira vez, embora Pedro Costa tenha saído como campeão nacional. Por seu turno, Emanuel Costa, acabado de se sagrar campeão europeu e mesmo participando extracampeonato, venceu a classe Super Proto, na qual Luís Jorge garantiu o título. Manuel Morgado regressou às vitórias na Promoção, não impedindo, todavia, que, com o segundo lugar em Gandra, João Fernandes se tenha sagrado campeão da classe. Por último, entre os UTV/Buggy, João Lopes confirmou o título de campeão nacional, apesar da vitória de Luís Edgar na prova.

Antero Bessa, presidente do Clube TT Paredes Rota dos Móveis, citado pelo gabinete de imprensa da Câmara de Paredes, quebrou o silêncio (…)

Leia a noticia completa na edição em papel de 4 de novembro ou subscreva a assinatura digital no nosso site.