A Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) localizada no centro de Paredes vai ser definitivamente encerrada no decorrer dos próximos dias, sendo substituída pela nova estação, em Paço de Sousa, Penafiel, que já está numa fase de funcionamento experimental.

A construção do novo Sistema de Saneamento da Bacia do Sousa vai implicar ainda a desativação das mini etar’s de Baltar e Besteiros.

Segundo a nota de imprensa enviada pela câmara municipal de Paredes a Etar de Paredes está em fase de desativação e por isso os esgotos que ali eram tratados já começaram a ser direcionados para a nova unidade em Penafiel.

O novo Sistema Multimunicipal de Saneamento da Bacia do Sousa, que a autarquia garante ter significado um investimento de 17 milhões de euros, é um “ambicioso projeto” que começou a ser preparado, em 2008, em estreita colaboração entre a Simdouro e as câmaras de Paredes e Penafiel, para resolver de forma definitiva e eficaz os problemas de saneamento a cerca de 65 mil habitantes dos dois concelhos.

“É um momento muito importante para Paredes, porque finalmente concluímos um processo de vital importância para a saúde pública do concelho. Um investimento estruturante e absolutamente prioritário, que soluciona em definitivo os problemas de saneamento básico e garante a qualidade de vida que as populações de Paredes e Penafiel há muito mereciam”, enalteceu o presidente da câmara de Paredes, Celso Ferreira.

De acordo com Celso Ferreira esta “solução” só foi possível graças ao “empenho e determinação” das Câmaras de Paredes e Penafiel e também da SimDouro.

A Etar de Paredes já existia há cerca de 30 anos e funcionava há muito acima da capacidade, tratando os esgotos de cerca de 23 mil habitantes dos municípios de Paredes e Penafiel, não sendo já capaz de responder às exigências atuais de tratamento. O autarca de Paredes sublinhou por isso a satisfação pela resolução de um problema que há muito vinha incomodando os habitantes dos dois concelhos e, em particular, os moradores próximos da zona onde foi instalada a Etar de Paredes.

“A Etar de Paredes nunca devia ter sido construída naquele local. Gerou um desconforto profundo aos habitantes da cidade e prejudicou muito a sua população, pelo que é um grande feito terminar com este erro”, diz ainda Celso Ferreira.

Ainda segundo a nota enviada pela câmara municipal de Paredes a nova estação de tratamento em Paço de Sousa tem “soluções tecnologicamente avançadas e capacidade para tratar os esgotos de 65 mil habitantes, num primeiro momento, e de 80 mil na segunda fase do projeto”.

O novo Sistema de Saneamento da Bacia do Sousa implicou, entre outros investimentos, a construção de cerca de 50 km de intercetores, de 2,3 km de condutas elevatórias e de duas estações elevatórias, para além da aquisição de 490 parcelas de terrenos em 22 freguesias.

Além da Etar de Paredes, também as mini Etar de Baltar e Besteiros serão desativadas.