Polémica. Factos apurados pela Assembleia de Freguesia de Cête, segundo a IGF, também são passiveis de gerar responsabilidade financeira e/ou sancionatória. A averiguação compete ao Ministério Público.

António Orlando – texto

A Inspeção-Geral de Finanças (IGF) admite que a junta de Freguesia de Cête, de quem Tomás Correia (PSD) é o presidente, pode ter cometido crime de abuso de poder no exercício do presente mandato autárquico. Contudo a IGF remete a respetiva averiguação, para a estrita competência, do Ministério Público no Tribunal Judicial de Paredes.

“Com fundamento na denúncia em análise, afigura-se que alguns dos factos denunciados são suscetíveis de integrar ilícitos criminais, designadamente, o crime de (…)

Leia a reportagem completa na edição em papel de 8 de setembro ou na edição eletrónica subscrevendo a assinatura digital no nosso site.