Escolhi este tema para o meu artigo de hoje por duas razões muito concretas. Em primeiro lugar, porque está neste momento a decorrer uma das principais feiras internacionais de mobiliário – ISALONI, em Milão, Itália. Em segundo lugar, porque também está a decorrer até 28 de Junho, mais uma oportunidade para as indústrias de mobiliário, que queiram apostar na internacionalização, apresentarem uma candidatura a apoios comunitários.

Hoje, é amplamente reconhecido por todos, que dadas as grandes dificuldades da procura interna, a indústria de mobiliário do nosso concelho tem de apostar na internacionalização. Para isso, nunca é demais lembrar que há apoios estatais para que as empresas se lancem nessa procura desses potenciais clientes externos. A nível nacional, a AICEP através do QREN Internacionalização disponibiliza apoios financeiros para ajudar as empresas nestes seus investimentos na internacionalização. Assim, é importante que as empresas saibam que o valor que investirem no aluguer de um espaço numa feira internacional, o valor investido no aluguer de um stand para expor o seu mobiliário, o custo da deslocação para a feira e da estadia na feira são apoiados a fundo perdido em 75%. Ou seja, se uma empresa investir 10.000,00 Euros na realização de uma feira no exterior, será reembolsado em 7.500,00 Euros. Importa também referir, que estes apoios não se ficam por aqui, também o investimento num catálogo para promover os seus móveis no exterior é apoiado a fundo perdido em 50% do seu custo. Também outros investimentos na internacionalização, como sejam, o design e o desenvolvimento de produtos específicos para esses mercados externos, as deslocações e estadias no estrangeiro, a realização de um site na internet ou a contratação de pessoas licenciadas para ajudar a empresa no seu processo de internacionalização, são apoiadas em 50% do seu custo.

A nível local, também muito podia ser feito para apoiar a internacionalização das indústrias de mobiliário do concelho. Em Paredes, apesar de haver uma empresa municipal para apoiar investimentos das empresas do concelho, nada fez a este nível até hoje. O único programa que a Câmara Municipal tinha com o objetivo de promover internacionalmente a Indústria do Mobiliário, pecou por estar mal concebido. Estou a falar da iniciativa “Duets”, que consistia na produção de uma cadeira associada a uma figura pública. Esta iniciativa foi mal concebida porque só promoveu a Câmara Municipal e a Figura publica envolvida. O projeto “Duets” deveria antes ser um “Fourets”, para envolver não só o município e a figura pública, como sobretudo as indústrias de mobiliário do concelho e os potenciais clientes internacionais. Só conseguindo juntar potenciais clientes internacionais às indústrias do concelho, que produziram as cadeiras, é que se está a contribuir para a internacionalização da indústria de mobiliário a nível local.