Suspeita. José Borges presidiu à Associação Columbófila de Penafiel e é censurado por ter praticado uma gestão rudimentar. A maioria das saídas de caixa era justificada em papéis manuscritos. Os sócios chumbaram as contas. Borges nega tudo e fala em má fé.

António Orlando – texto

José Borges, presidente da Junta de Freguesia de Louredo, Paredes, está no centro de uma polémica no concelho vizinho de Penafiel. O autarca foi durante dois mandatos Presidente da Associação Columbófila de Penafiel (ACP) e terá deixado o cargo com contas, por pagar e por aprovar.

Um dos exemplos da, alegada, má gestão de José Borges na ACP, prende-se com o pagamento de portagens. Uma fatura de cerca de 80 euros não foi paga, e quando António Gomes, o atual presidente da ACP, assumiu a liderança da coletividade diz ter sido confrontado com a divida e respetivos juros. “A conta já ultrapassava os 2 mil euros. Tive que pessoalmente atravessar-me, para resolver o assunto”, garantiu o dirigente ao Progresso de Paredes.

As contas da gestão de José Borges na ACP estão por aprovar. A Assembleia Geral chumbou (…)

 

Leia a notícia completa na edição em papel de 29 de abril ou subscreva a assinatura digital no nosso site.