O escritor moçambicano que acaba de lançar “A Espada e a Azagaia” está em destaque, este mês de Outubro, na Biblioteca da Fundação A LORD. O novo livro é apenas um da vasta obra de Mia Couto, prémio Camões 2013. Terra Sonâmbula foi o seu primeiro romance.

António Orlando

Mia Couto acaba de lançar “A Espada e a Azagaia” este pode muito bem ser o ponto de partida para uma revisita à Obra do escritor moçambicano na Biblioteca da Fundação A Lord, em Lordelo, Paredes.

“A Espada e a Azagaia” é o segundo livro (o primeiro, “Mulheres de Cinza”, foi publicado em outubro de 2015) de uma trilogia — As Areias do Imperador — sobre os derradeiros dias do chamado Estado de Gaza, o segundo maior império em África dirigido por um africano – Ngungunyane.

Ngungunyane foi o último dos imperadores que governou toda a metade Sul do território de Moçambique.

Derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque, o imperador Ngungunyane foi deportado para os Açores onde veio a morrer em 1906. Os seus restos mortais terão sido trasladados para Moçambique em 1985.

Existem, no entanto, versões que sugerem que não foram as ossadas do imperador que voltaram dentro da urna. Foram torrões de areia (…)

Leia a notícia completa na edição em papel de 21 de Outubro ou subscreva a assinatura digital no nosso site.