O ministro dos Negócios Estrangeiros apadrinhou a inauguração do Museu A LORD, em Lordelo, Paredes. O novo espaço da Cooperativa de Eletrificação A LORD é uma janela sobre a história da instituição e sobre o mundo da energia.

António Orlando – texto

As paredes do edifício do Museu A LORD, apesar de novas, brotam história. Foi ali que a Cooperativa A LORD nasceu há 83 anos. Volvidas mais de oito décadas o espaço foi reerguido para acolher a história da instituição que, literalmente, deu luz a Lordelo.

“Esta casa não representa apenas o retorno à sede da cooperativa, ela representa também a simbiose perfeita entre o passado e o presente e onde se crê vir a ter um papel primordial na direção do futuro”, refere Francisco Leal, Presidente da Cooperativa A LORD.

IMG_0964Ali, naquela casa localizada na rua José Manuel Ribeiro da Silva, que também já foi morada dos bombeiros. Depois de anos a fio votado ao abandono, o edifício foi novamente adquirido pela A LORD, que lhe deu agora uma nova alma.

 

O prédio foi reconstruído praticamente de raiz num investimento que ronda o meio milhão de euros. Nuno Mota Oliveira, arquiteto, foi quem idealizou o Museu tomando por base a solicitação da administração da A LORD.

“Inicialmente foi-nos pedido para fazer um museu, esse espaço seria um local simbólico da sede da A LORD, mas sempre nos disseram que deveria ter um caráter polivalente e (…)

 

Leia a notícia completa na edição em papel de 27 de maio ou subscreva a assinatura digital no nosso site.

IMG_0933 IMG_0880 IMG_0852 IMG_0838 IMG_0800