Ao fim de mais de 10 edições realizadas no Algarve e Alentejo, o Rally de Portugal volta ao norte já no próximo ano. Lousada e Valongo são os dois concelhos da região a receber uma classificativa da prova, pontuável para o Campeonato do Mundo de Ralis.

A decisão foi oficializada na última quarta-feira, dia 9 de julho, numa conferência de imprensa. O automóvel Clube de Portugal não revelou ainda o troço oficial, mas é certo que a prova-mãe do rali português vai passar por alguns concelhos da região como é o caso de Lousada e Valongo.

Estão ainda previstas classificativas em Amarante, Baião, Caminha, Fafe, Guimarães, Matosinhos, Ponte de Lima, Viana do Castelo e Vieira do Minho. A câmara municipal de Lousada manifestou a sua satisfação com a integração do concelho no percurso da prova.

Apesar de ainda não serem conhecidos os moldes em que os dois municípios da região vão integrar a edição do próximo ano do Rally de Portugal, Pedro Machado acredita que em Lousada haverá uma PEC Super Especial, na pista da Costilha. “Os locais das classificativas apenas serão divulgados aquando da apresentação oficial da prova, mas é quase certo haver uma PEC Super Especial em Lousada, na Pista da Costilha”, garantiu.

Comportamento do público vai determinar manutenção no norte

Na edição do próximo ano do WCR Vodafone Rally de Portugal, a Exponor, em Matosinhos, assume um papel importante na prova. O parque de exposições do Porto será o centro nevrálgico do Rally, integrando o posto de comando, o parque de assistência e o parque fechado.

O Automóvel Clube de Portugal garante que a prova será “tão compacta quanto possível” e que o percurso será traçado integralmente na região a norte do rio Douro. “A prova beneficiará do expresso envolvimento das autarquias no arranque de uma nova etapa na história de sucesso do Rally de Portugal”, sublinhou a organização. Em comunicado o ACP garantiu ainda que a manutenção da prova no norte do país vai depender apenas do comportamento do público e das questões de segurança da prova. “Se é no Norte ou Sul do país, depende única e exclusivamente do comportamento e apoio do público em termos de segurança da prova”. O objetivo principal, sublinha o ACP, é manter o Rally de Portugal no Campeonato do Mundo de Ralis.

O presidente da câmara de Lousada garantiu que esta decisão foi o resultado de um conjunto de negociações durante largos meses entre o município e a organização. Segundo Pedro Machado, em maio último as duas partes terão chegado a acordo quanto às condições de realização da prova em Lousada, mantendo a articulação com o Clube Automóvel de Lousada.