Livros. Afonso Reis Cabral nasceu em Lisboa em 1990 e cresceu no Porto. É o quinto de seis irmãos. Escreve desde os 9 anos. Em 2005 publicou o livro Condensação, no qual reuniu poemas escritos até aos 15 anos.  É o escritor do mês na biblioteca da Fundação A Lord.

António Orlando – texto

Afonso Reis Cabral publicou textos em diversos periódicos. Em 2008 ficou em 8.º lugar no 7th European Student Competition in Ancient Greek Language and Literature, entre mais de 3500 concorrentes de 551 escolas. Foi o único português a concorrer.

Em 2014, venceu o prémio LeYa, com o romance O Meu Irmão. Em 2017, venceu o Prémio Europa – Cátedra David Mourão-Ferreira na categoria de Promessa, que tem por objetivo galardoar uma personalidade emergente no campo artístico.

Trineto de Eça de Queiroz, Afonso Reis Cabral considera que ser descendente do famoso escritor não era razão para também ser escritor, nem a genialidade da escrita vem por arrasto. “Não há genética na literatura”, garante. O seu primeiro romance tem a particularidade de contar uma história que tem paralelo com a vida – e a doença – do irmão. Aliás, o título do romance é esclarecedor: O Meu Irmão.

Segundo o júri que lhe atribuiu o Prémio Leya, “O livro premiado trata de um tema delicado, que poderia suscitar uma visão sentimental e vulgar: a relação entre dois irmãos, um deles com síndrome de Down.

“A realidade é trabalhada de uma forma objetiva e com a violência que estas situações humanas, podem desenvolver, dando também um retrato social que evita tomadas de decisão fáceis, obrigando a um investimento numa leitura que nos confronta com a dificuldade de um mundo impiedoso”, acrescenta o júri.

Afonso Reis Cabral é licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos e mestre em Estudos Portugueses com a dissertação A Orquestra Oculta-Os Estudos da Consciência e a Literatura.

 

O meu irmão – Sinopse

“Com a morte dos pais, é preciso decidir com quem fica Miguel, o filho de 40 anos que nasceu com síndrome de Down. É então que o irmão – um professor universitário divorciado e misantropo – surpreende (e até certo ponto alivia) a família, chamando a si a grande responsabilidade. Tem apenas mais um ano do que Miguel, e a recordação do afecto e da cumplicidade que ambos partilharam na infância leva-o a acreditar que a nova situação acabará por resgatá-lo da aridez em que se transformou a sua vida e redimi-lo da culpa por tantos anos de afastamento. Porém, a chegada de Miguel traz problemas inesperados – e o maior de todos chama-se Luciana. Numa casa de família, situada numa aldeia isolada do interior de Portugal, o leitor assistirá à rememoração da vida em comum destes dois irmãos, incluindo o estranho episódio que ameaçou de forma dramática o seu relacionamento.”