SOBRE FUTEBOL

Juvenal Brandão, Treinador de Futebol UEFA Pro (Grau IV), Licenciado em Gestão de Desporto

Já se sabe que Portugal tem das mais baixas taxas de ocupação dos estádios de futebol. Portugal nunca foi dos países onde os adeptos mais veem os jogos de futebol ao vivo. E porquê? Por um conjunto de fatores, como os horários dos jogos, pelo facto de todos os jogos da 1ª Liga darem na televisão (e agora os da 2ª Liga dão todos em streaming – modo que a operadora de TV disponibiliza através do seu site), pelo preço dos bilhetes e pelas fracas condições dos estádios portugueses.

Hoje em dia, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), entidade que gere o futebol profissional português (1ª e 2ª Ligas), avalia e categoriza os estádios, de forma a que os clubes não possam colocar o preço dos bilhetes a qualquer valor, mas sim em função da qualidade dos estádios. É uma boa medida, mas não chega.

Outras mais precisam de ser tomadas, como, na minha opinião, a melhoria imediata dos estádios. Sou da opinião que os clubes de futebol profissionais só deveriam disponibilizar bancadas cobertas para os adeptos – quer fossem da equipa da casa, quer visitantes.

Pagar-se, seja o que for (já acho ridículo, no distrital, por exemplo, pagar-se 5 ou 7 euros para se ver um jogo à chuva – e algumas vezes até de pé), para apanhar chuva durante 2 horas não faz sentido. Não é assim que cativam os adeptos; as famílias; as senhoras; os jovens…!

Os clubes têm de parar urgentemente de guerras e guerrinhas, de quererem ganhar a todo o custo, e passarem a pensar no futebol de outra forma. Na forma de envolverem as pessoas, de as motivarem, através de espectáculos, não só futebolísticos mas tudo o que possa envolver o evento em si. E criarem condições as condições necessárias. Este devia ser um dos pressupostos obrigatórios para participação nas competições profissionais.

São medidas destas que o futebol tem de implementar.

Tantos dirigentes profissionais, seja nos clubes, mas na LPFP e na FPF e pouco ou nada se faz para puxar pelos adeptos, para promover o futebol português e para se gerar condições de sucesso. Tantos grupos de trabalho para pensar uma série de assuntos e coisas práticas nem vê-las.