SOBRE FUTEBOL por

Juvenal Brandão, Treinador de Futebol UEFA Pro (Grau IV), Licenciado em Gestão de Desporto

Na próxima época (2020/2021), haverá novidades nos Campeonatos Nacionais de Juvenis e Iniciados, no que toca aos quadros competitivos. Será criada a 2ª Divisão Nacional, em ambos os escalões.

Actualmente, nos Juniores (sub-19) existem 2 divisões Nacionais: a 1ª está dividida em duas zonas (Norte e Sul) de 12 equipas cada; a 2ª está dividida em 5 séries de 10 equipas cada. Nos Juvenis 8sub-17) existe 1 divisão Nacional, com 4 séries de 12 equipas. Nos Iniciados (sub-15) também só existe 1 divisão Nacional, com 6 séries de 12 equipas.

Ora, a Federação Portuguesa de Futebol decidiu aproximar as competições mais novas ao formato da mais velha, por isso esta época em curso é de transição no que toca a subidas e descidas de divisão.

No campeonato de Juvenis, os 18 clubes que normalmente seriam despromovidos aos Distritais, vão ser despromovidos para a 2ª divisão Nacional da categoria. Na 1ª Nacional de Juvenis de 2020/2021 ficarão os restantes 30 clubes, possivelmente divididos em 3 séries de 10. A estreante 2ª Nacional de Juvenis será composta pelos 18 despromovidos mais pelos 18 campeões distritais, num total de 36 equipas, possivelmente divididos em 3 séries de 12.

No campeonato de Iniciados, os 22 clubes que nesta época vão ser despromovidos (3 últimos de cada uma das 6 séries (18) mais os 4 piores 5ºs classificados, serão relegados para a 2ª Nacional de Iniciados, a quem se juntam os 18 campeões distritais, num total de 40 equipas, que serão divididos em 2020/2021 em 4 séries de 10 equipas. Na 1ª Nacional de Iniciados ficarão 50 clubes (72 participantes em 2019/2020 menos os 22 despromovidos) que serão, à partida, distribuídos em 5 séries de 10 equipas cada.

Esta reformulação não termina na próxima época, mas será feita em três ou quatro. O que a FPF pretende é ajustar os quadros competitivos dos 3 escalões (Juniores, Juvenis e Iniciados) e promover a competitividade e evolução dos atletas, fazendo com que haja cada vez menos diferenças abissais e resultados desnivelados.

Nos regulamentos das competições será sempre claro este processo de transição, sendo enunciado o número de descidas e subidas de divisão, na 1ª, 2ª Nacional e Distritais, para que no início de cada época os clubes saibam com que contar.