Por Juvenal Brandão, treinador de futebol

Em edições anteriores, falei que a vida dos jogadores de futebol exige máxima dedicação e recato. No entanto, as redes sociais não têm ajudado em nada; pelo contrário, têm exposto e prejudicado os jovens. Se bem usadas, podiam ser de extrema importância.

Facebook, Instagram e Twitter, são aquelas redes sociais que os jovens preferem. Envolvidos numa vida acelerada e cada vez mais sós, em que o convívio e o encontro presencial entre os amigos apenas se faz nas escolas (e será que se faz convívio como antigamente?), em que vemos na mesa dos restaurantes todos os elementos das famílias com os seus telemóveis, percebe-se que é preciso dar passos em frente…voltando atrás. Tem de haver educação sobre as redes sociais. E devia começar em casa. Mas parece-me que as escolas e, neste caso, o futebol, têm de ter um papel (…)

Pode ler este artigo na íntegra na edição de 1 de março, em papel ou na edição eletrónica subscrevendo-a neste site.