Por Rui Silva, Bancário

Ao ser discutido e votado nesta Assembleia Municipal o orçamento do Município de Paredes, para o ano de 2017, tenho de voltar a realçar, como nos anos anteriores, que se trata de um documento elaborado única e exclusivamente pela maioria do PSD, logo da sua inteira responsabilidade.

Registo com desagrado que não tenha sido solicitada qualquer colaboração às outras forças políticas.

Pela parte que nos toca, podem ter a certeza que o CDS apresentaria propostas que julga pertinentes, com qualidade e razoabilidade, que poderiam ser discutidas e eventualmente integrarem o plano de atividades e investimento para o ano de 2017.

Perdeu-se uma oportunidade, o qual aliás não é nada de novo, mas esperava que pelo menos no último ano deste Executivo que essa atitude fosse diferente.

Quanto ao documento que analiso, salta logo à vista que se trata de um Plano e Orçamento de valor inferior ao de 2016 e que as obras prometidas para 2017 são em maior número e se existem menos verbas para as realizar.

Assim facilmente se conclui que algumas serão apenas iniciadas e que outras terão muitas dificuldades em sair do papel (…)

Leia o resto desta  Opinião na edição em papel de 7 de Outubro ou subscreva a assinatura digital no nosso site.