Conservatório de Música de Paredes juntou-se a Tim para celebrar os seus 30 anos

O concerto de final de ano “Notas em Nós, na sua 7ª edição assinalou  também o 30º aniversário do Conservatório e foram interpretados alguns dos temas mais icónicos de Xutos e Pontapés.

O Presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, destacou que “é um orgulho ter uma associação como a vossa no concelho de Paredes e é por esta razão que faz sentido fazer investimentos como este Multiusos e também como o Auditório e novo Centro de Congressos. Temos matéria prima e temos realmente quem utilize estes equipamentos”.

Não faltou também o Vice-Presidente, Elias Barros, os Vereadores Beatriz Meireles, Paulo Silva e Tânia Ribeiro, o Presidente da Assembleia Municipal, José Baptista Pereira, o Presidente da Junta de Freguesia de Paredes, Artur Silva, e o Presidente da Associação Cultural José Guilherme Pacheco, Paulo Rocha.

Paulo Rocha, presidente da Associação Cultural José Guilherme Pacheco, responsável pelo Conservatório de Música de Paredes, referiu que era um sonho antigo ter o Tim como padrinho da 7ª edição do Notas em Nós.

O Presidente falou ao Progresso de Paredes sobre a importância que o concerto tem na agenda cultural paredense “o conservatório está a celebrar o seu trigésimo aniversário e nós queríamos assinalar de uma forma especial. Ter uma figura como o Tim, de cariz nacional de forma a juntar as várias gerações a quem nós juntar era o objetivo. Ficamos contentes por que foi isso que aconteceu com o Tim que apadrinhou este aniversário”.

Se no ano passado Jorge Palma subiu ao palco juntamente com todos os alunos do Conservatório de Música de Paredes, este ano foi a vez de Tim “temos todos o interesse em ter alguém que seja agregador de todas as classes e de todos os alunos. O facto de termos uma figura com a dimensão do Tim, traz a imagem de uma figura intemporal, uma pessoa muito presente no panorama musical português e dar a oportunidade aos nossos alunos de dividir o palco com este artista é uma mais valia para todos”.

Para Paulo Rocha, trinta anos depois “o Conservatório está mais velho, maduro e consistente e conseguimos fazer com que estivesse mais integrado na sociedade. Um dos grandes objetivos deste concerto é trazer a população até nós. Hoje em dia há muita gente que ainda não sabe da existência do conservatório ou se sabe não imagina a dimensão do mesmo”.

Finalizou avaliando que “agora é importante manter a qualidade no que toca ao crescimento e aos alunos, apesar da qualidade não ter fim. Agora precisávamos de requalificar o espaço. Temos a promessa por parte da autarquia de que vai haver essa requalificação de forma a dar uma nova roupagem e configuração”.

Os ensaios e o programa de estudo foram planejados com meses de antecedência e envolveu mais de 300 alunos desta instituição. 

Com lotação esgotada, o Multiusos de Paredes contou com 3500 espectadores, entre fãs de Xutos & Pontapés, seguidores do Conservatório, familiares e amigos dos alunos. 

Na página do Conservatório de Música de Paredes e nas redes sociais é possível consultar a agenda comemorativa para o resto ano, de forma a celebrar estes trinta anos de história.