Distribuídos pelouros do novo executivo

Na primeira reunião de câmara do mandato 2013-2017, que decorreu no passado dia 28 de outubro, ficou definida a distribuição de pelouros do novo executivo. O PS voltou a questionar a existência da AMI Paredes e votou contra a nomeação do conselho de administração e dos representantes do executivo no conselho geral da agência municipal.

No período antes da ordem do dia o vereador do PSD Manuel Fernando da Rocha exigiu esclarecimentos a Alexandre Almeida sobre o recurso que o PS apresentou ao Tribunal Constitucional para a recontagem total de votos no concelho. Manuel Fernando garantiu que não esteve presente no centro escolar, local onde decorreu o processo eleitoral em Gandra, ao contrário do que o PS sustentou. “No recurso apresentado ao TC e assinado por si garante que o presidente da JF e um vereador natural daquela freguesia permaneceram naquela seção de voto a perturbar as votações. Não há dúvidas de que se refere à minha pessoa e ou assume estas palavras ou vou ter de tomar medidas”, apontou o vereador.

Alexandre Almeida mostrou-se disponível para esclarecer a situação no final da reunião, mas não adiantou mais nada sobre a questão. Manuel Fernando entendeu que o socialista não quis assumir o que foi escrito no recurso e garantiu apenas que foi convidado para estar presente, mas recusou. “Já percebi que não quer assumir o que aqui está escrito e nem preciso de dizer mais nada. Ou assume que se revê nestas palavras ou terá de pedir desculpas pelo que disse”, acrescentou. Alexandre Almeida não pediu desculpas, remetendo mais uma vez qualquer esclarecimento para o final da reunião, mas Manuel Fernando da Rocha exigiu um esclarecimento público, que não chegou a acontecer.

No período da ordem do dia foram reforçados os cumprimentos aos novos vereadores. No primeiro ponto a votação e aprovado com unanimidade foi estabelecida a periodicidade das reuniões do executivo, marcadas para a 1.ª e 3.ª quartas-feiras de cada mês, sendo a primeira pública e a segunda à porta fechada.

PS contra nomeação do conselho administração da AMI Paredes

A nomeação do conselho de administração da Agência Municipal de Investimento bem como os representantes da câmara municipal no conselho geral da AMI Paredes contou com o voto contra do PS. Os socialistas voltaram a reprovar a agência municipal de investimento e a questionar os seus objetivos. Na declaração de voto Alexandre Almeida lembrou que o partido “defende a sua extinção desde 2009”, e acrescentou que “esta empresa não tem feito nada para atrair investimento e só tem dado prejuízo”.

As duas propostas foram aprovadas com os votos do PSD e Pedro Mendes garantiu que a AMI Paredes “funciona apenas com o esforço dos colaboradores e da câmara municipal e não com base naquilo que algumas pessoas querem fazer crer”.

O executivo apresentou a proposta de delegação de competências do presidente, que para além de assumir a coordenação geral dos serviços, mantém o pelouro da proteção civil e a responsabilidade pelos assuntos jurídicos, administrativos e financeiros. O PS votou contra por entender que “há competências que não estão de acordo com a lei e algumas honorarem valores muito elevados para a câmara municipal”. Alexandre Almeida reforçou na declaração de voto que o partido entende que as mesmas competências deveriam ser discutidas em reunião antes de serem delegadas. A mesma foi aprovada com os votos do PSD.

Na primeira reunião de câmara do mandato, Celso Ferreira distribuiu os pelouros e delegou competências aos seus vereadores. Sem grandes alterações Pedro Mendes assume o cargo de vice-presidente do executivo e mantem os pelouros do ambiente, modernização administrativa e turismo, passando também a liderar o pelouro do urbanismo e das atividades económicas. Hermínia Moreira assume novamente a ação social, pela qual já era responsável e assume agora o pelouro da educação e cultura, até então a cargo de Pedro Mendes.

Pedro Mendes continua como vice-presidente

Com o pelouro do desenvolvimento municipal fica Manuel Fernando da Rocha, responsável pela gestão de projetos e obras municipais, a quem foi ainda atribuído o pelouro das oficinas e equipamentos móveis, bom como o dos mercados e feiras. A desempenhar agora funções em regime de permanência, Cândido Barbosa passa a acumular o pelouro do desporto com o da juventude. Os vereadores do PS exercerão as suas funções sem pelouros.

Para representar a câmara municipal na SimDouro e na AderSousa foi escolhido o vice-presidente Pedro Mendes e Manuel Fernando da Rocha para representar o executivo na Assembleia Municipal do Vale de Sousa.

Para representar a câmara municipal no conselho geral dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas foram designadas as vereadores Hermínia Moreira do PSD e Beatriz Meireles do PS.

No período reservado para as intervenções do público, José Vieira interveio e pediu aos vereadores para pensarem “nos que mais sofrem e no desenvolvimento do concelho”. Joaquim Bessa, ex-presidente da junta de Astromil, congratulou os vereadores pela forma “ordeira” como decorreu a reunião e deixou um apelo de colaboração aos dois partidos em benefício do concelho e de todos os paredenses.