Entrevista: Treinador paredense Hélder Duarte conquistou o Moçambola 2023

Hélder Filipe Rodrigues Duarte nasceu a 25 de março de 1982 e venceu recentemente o campeonato moçambicano, Moçambola 2023, enquanto treinador do Clube Ferroviário da Beira.

Foi jogador do União Sport Clube de Paredes entre 1991 e o ano 2000. Na época 2003/2004 estreou-se como treinador dos sub-17 do USC Paredes, e mais tarde passou pelo Lousada, pela Dragon Force, pelo clube moçambicano Black Bulls e pelo Famalicão.

A sua equipa venceu a Associação Desportiva de Vilankulo por 1-0 na última jornada do campeonato de Moçambique. 

Hélder Duarte foi guarda-redes do União Sport Clube de Paredes e do Vitória Sport Clube. A sua carreira de treinador teve início na formação do Futebol Clube do Porto. 

Estivemos à conversa com o treinador onde explicou o caminho até este resultado e todas as emoções vividas com este triunfo.

Começa por explicar que “o campeonato Moçambicano é muito competitivo, todos os jogos são vividos no máximo, pela paixão que este povo tem pelo futebol e porque ir jogar as provinciais, independentemente da equipa que seja o resultado é imprevisível”.

Relembra a sua chegada ao Clube Ferroviário da Beira destacando que “quando cheguei ao CFvB a equipa já estava a trabalhar, o comboio já estava em andamento e tive que rapidamente me adaptar à cidade, clube e plantel. Como todos os campeonatos têm altos e baixos, e este em particular, em que estive em Portugal cinco semanas no curso da Uefa e a equipa ressentiu-se um pouco. Fomos a equipa mais regular e acredito que sejamos justos vencedores”.

Hélder Duarte aborda a sua passagem pelo Famalicão que mais tarde o fez regressar a Moçambique “é a minha segunda participação na prova máxima do futebol moçambicano. Em 2021 fui campeão nacional na ABB ( associação Black Bulls); em 2022 estive a trabalhar no Futebol Clube de Famalicão, como adjunto do Rui Pedro Silva, na primeira liga português (infelizmente as coisas não correram como queria) e este ano, em fevereiro regressei a Moçambique para o CFvB”.

Afirma estar muito feliz com o resultados obtidos no Moçambola 2023 e afirma que “um treinador vive de resultados e estar aqui dois anos, em equipas diferentes e conseguir dois títulos quer dizer que o caminho que estou a seguir está a ser bem feito e que tenho que continuar a adquirir competências para ainda ser melhor”.

Houve tempo ainda para falar sobre o seu filho Martim Duarte, que se estreou recentemente na seleção nacional portuguesa sub 17. O jogador fez a sua primeira internacionalização ao participar no Torneio Preparatório da UEFA da Seleção Nacional Sub-17. O treinador paredense elogia o filho e destaca que “o Martim está a construir o caminho dele. Ninguém sabe os sacrifícios que ele faz diariamente para estar neste nível. É muito comprometido, focado e resiliente com o sonho dele e só tenho pena de estar tão longe e de não o poder apoiar mais. É um orgulho para mim como pai, mas se ele fosse só o meu Tim, ia ter na mesma o mesmo orgulho, porque para mim, o mais importante é o menino educado que ele é, que sabe estar ,que nos orgulha todos os dias pelo coração que tem e não por estar na seleção ou no clube A ou B”.

Finaliza revelando que recebeu a proposta para renovação de contrato do clube que veste a camisola neste momento e também de outros clubes “felizmente tenho convite para renovar contrato com o CFvB e outros convites de clubes em Moçambique. Há a possibilidade de voltar a trabalhar com o Rui Pedro Silva. Vou analisar e escolher o que for melhor para a minha família, porque estar a mais 8000 km de distância não é fácil”.