SOBRE FUTEBOL

Por Juvenal Brandão, Treinador de Futebol UEFA Pro (Grau IV), Licenciado em Gestão de Desporto

O novo vírus, Covid-19 (coronavírus), surgido nos finais do ano passado, está a assustar o mundo e a ter repercussões incríveis. A China e a Itália são os países mais afectados, mas Portugal está em estado de alerta e começa a paralisar. Além dos serviços, também o Desporto está a ser fortemente afectado.

Por cá, a Liga e a Federação decidiram no início desta semana:

– realizar os jogos da próxima jornada da 1ª e 2ª Ligas e Campeonato de Portugal à porta fechada;

– suspender todos os campeonatos nacionais de futebol jovem;

– suspender todos os campeonatos distritais seniores e de futebol jovem;

Entre 14 e 28 de março.

Além disso quase todos os clubes de futebol suspenderem as suas actividades, como treinos a todos os escalões de formação. Estranho é aqueles que só tenham cancelado até aos sub-13 por exemplo, ou aqueles que mesmo não tendo jogos de seniores, continuem a treinar.

Na semana passada tinham sido adiados os 3 primeiros jogos por causa deste caso: Barrosas-Freamunde (Elite AF Porto), Ferreira-Citânia Sanfins e Raimonda-Roriz (ambos da 1ª Divisão AF Porto).

Em Itália, num primeiro momento houve jogos à porta fechada, como um dos jogos do título entre Juventus e Inter de Milão, mas agora os jogos já foram suspensos por tempo indeterminado. Em Espanha, o Governo decidiu jogos à porta fechada, no mínimo, duas semanas. Em França, igual medida, até 15 de Abril.

Na Liga dos Campeões já houve jogos à porta fechada, como por exemplo o Valência-Atalanta, e na Liga Europa deve haver adiamentos: o Getafe (Espanha) recusou-se a viajar para Itália para jogar com o Inter e o Wolverhampton não queria jogar na Grécia com o Olympiacos (entre outros motivos o presidente do clube grego está infectado com o Covid-19).

Uma coisa me parece estranha: as entidades que gerem o desporto e o futebol em particular estão preocupados com os adeptos mas estão a olhar para os jogadores, treinadores e árbitros como máquinas – não deviam ser eles protegidos também da exposição aos jogos? Não podem estar sujeitos à contaminação do vírus?

Os treinadores Nuno Espírito Santo, do Wolverhampton, Jurgen Klopp, do Liverpool, e Guardiola, do Manchester City, já disseram que não podendo haver adeptos nos estádios, não deviam haver jogos. Concordo com esta opinião, porque o futebol só faz sentido havendo adeptos (e eu que sou defensor dos clubes fazerem tudo para terem os estádios cheios…), mas num caso destes, adiar os campeonatos (que provavelmente é a medida mais racional, face ao alarmismo e ao facto de ainda não se ter percebido a dimensão da “coisa”) trará uma enorme dificuldade na gestão dos calendários.

Numa época de Campeonato da Europa – em que também ele pode estar em risco – o final das competições tem prazos apertados e já se fazem enormes especulações, como em Itália, onde o presidente da Federação já admitiu a possibilidade do título e da despromoção serem decididos em sistemas de play-off mediante a actual classificação (os 4 actuais primeiros disputariam o título e os 4 actuais últimos a manutenção).

Parece-me que não vamos chegar a esse ponto mas é demasiado prematuro fazer cenários.

Uma coisa é certa, esta epidemia terá reflexos, também, no futebol.