PSD diz que Câmara quer premiar a Be Water por incumprimento do contrato

Política. PSD analisou resgate da concessão em conferência de imprensa. No encontro com os jornalistas, Ricardo Sousa, líder da concelhia, anunciou que apresentou queixa no IGF contra o Executivo de Alexandre Almeida.

António Orlando – texto

O PSD acusou a Câmara Municipal de Paredes, gerida pelo PS, de se estar a preparar para dar de mão beijada 22,5 milhões de euros à Be Water pelo regaste da concessão “para esconder a fraqueza do mandato”.

“Se somar este valor de 22, 5 milhões, do resgate, aos 31 milhões de euros do investimento em falta da BE Water, estamos a falar de um custo para o bolso dos paredenses superior a 50 milhões de euros”, argumentou Ricardo Sousa, presidente da Comissão Política Concelhia do PSD de Paredes, em conferência de Imprensa realizada na sede do partido.

Ora, no entender do líder dos social democratas, a rescisão unilateral do contrato sairía “mais barata ao bolso dos munícipes. Para a Be Water nem mais um cêntimo. Há legitimidade para se avançar com a rescisão unilateral da concessão por incumprimento do contrato devido à falta de investimento da concessionária”, disse”.

Numa coisa o social democrata está de acordo com a gestão municipal dos socialistas que no dia 11 anunciaram a resgate da concessão: após o fim da concessão a Câmara deve reativar Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS). “Há coisas que sou contra a privatização esta é uma delas”, justificou Ricardo Sousa.

Na mesma conferência de imprensa, Ricardo Sousa anunciou que o PSD fez uma queixa ao Instituto Geral de Finanças (IGF) contra o executivo de Alexandre Almeida devido à derrapagem de 330 mil euros nas obras de construção dos acessos da zona Industrial de Rebordosa à A-41.  O PSD argumenta que houve uma violação do código dos contratos públicos.

A Câmara de Paredes (PS) nega que a ligação da zona industrial de Rebordosa à A41 tenha custado mais 330 mil euros que o previsto.

Segundo a câmara, foram lançadas mais duas empreitadas, uma que previa a ligação entre a rua Fonte Bolida e avenida Zona Industrial de Rebordosa, no valor de 149 mil euros, e outra de execução de infraestruturas na Zona Industrial de Rebordosa/Gandra, no valor de 148 mil euros. “O que o PSD está a fazer de uma forma demagógica, para tentar denegrir a imagem deste Executivo, é somar o valor destas três empreitadas, que são trabalhos distintos, dizendo que a obra inicial sofreu uma derrapagem. Todas estas empreitadas constam do portal base gov”, refere a câmara socialista em comunicado.