O quiosque junto ao centro de saúde de Paredes ficou destruído após ter sido abalroado por uma carrinha de transporte de peixe. O incidente aconteceu ao início da noite do passado sábado, dia 21 de junho, e deixou os proprietários preocupados com os prejuízos. A carrinha de transporte de peixe estaria estacionada do outro lado da rua, mas ficou mal travada.

Há pouco mais de oito meses a explorar o quiosque do centro da cidade de Paredes, junto ao centro de saúde, Bruno Ribeiro já perdeu a conta ao prejuízo de vários assaltos de que foi alvo. Desta vez a razão da preocupação do empresário não foi mais um assalto, mas sim um incidente com uma carrinha de transporte de peixe que lhe destruiu parte da estrutura do quiosque. “Estamos aqui desde outubro do ano passado e já fomos vítimas de vários assaltos. E agora é mais um prejuízo para suportar”, lamenta Bruno Ribeiro.

No passado sábado, dia 21 de junho, cerca das 22h30, o proprietário do quiosque foi alertado por moradores de que teria sido assaltado novamente. Bruno Ribeiro dirigiu-se de imediato a Paredes e encontrou o quiosque bastante danificado. Sem saber do que se tinha passado o proprietário dirigiu-se ao posto da GNR local para participar o incidente. Ali os agentes da autoridade informaram-no de que não se tinha tratado de um assalto.

“Quando cheguei aqui pensei que tinha sido mais um assalto e tinham andando a destruir as coisas. Fomos à GNR participar o caso e soubemos que não se tinha tratado de um assalto, mas de um acidente. Uma carrinha de transporte de peixe que estava parada do outro lado da estrada começou a andar e só parou quando embateu no quiosque”, conta o proprietário.

Carrinha desgovernada arrastou quiosque

Ao que a GNR confirmou ao próprio proprietário do quiosque, por volta das 22h30 da noite de sábado, uma carrinha de transporte de peixe parou junto ao Crédito Agrícola de Paredes. A condutora não terá travado corretamente a viatura que começou a andar desgovernada, vindo embater no quiosque do lado inverso da rua.

A condutora da carrinha foi mais tarde identificada pela GNR de Paredes. O proprietário do quiosque aguarda agora pela resolução da situação para minimizar os prejuízos para o seu negócio.

DSC_0007

“Vamos tentar trabalhar normalmente até a situação estar resolvida. Não vai ser fácil, mas não podemos simplesmente fechar o quiosque porque aí o prejuízo é ainda maior. Vamos procurar saber de todos os meios que temos para sermos ressarcidos por todos os danos que foram causados”, lamenta Bruno Ribeiro.

“Já fomos vítimas de vários assaltos. Agora é mais um prejuízo” 

O negócio já atravessa dias difíceis e o empresário lamenta que outro incidente tenha trazido mais despesas para suportar. Garante que para além do prejuízo dos diversos assaltos o negócio tem estado fraco. Reclama mais sensibilidade da própria autarquia na fixação do valor das licenças para este tipo de estabelecimentos que, garante, terem subido mais de 400 euros este ano.

 “Este ano a licença passou de 950 para 1400 euros. Como é que é possível sobreviver assim? Com margens de 12 e 13% na venda dos produtos, é quase impossível”, criticou.