Só 59 famílias vão receber apoio da Segurança Social

Um mês depois da intempérie que assolou o concelho de Paredes a autarquia fez um balanço do trabalho realizado junto das famílias afetadas. A Segurança Social irá apoiar 59 famílias já identificadas e cujos relatórios sociais comprovaram que necessitam de apoio para normalizarem as suas vidas.

Ao longo do mês de janeiro as famílias desalojadas na sequência do tornado que atingiu as freguesias de Duas Igrejas, Vilela, Lordelo e Sobrosa receberam refeições fornecidas pela autarquia, tal como diversos materiais para a reconstrução de oito das 60 habitações que ficaram sem condições de habitabilidade após a passagem do tornado.

Segundo a autarquia foram sinalizadas 140 famílias, mas apenas 59 viram já garantida a ajuda da Segurança Social para reconstruirem as suas casas. Ao longo do mês as situações foram avaliadas, através de visitas domiciliárias, e as conclusões vertidas em relatórios sociais já entregues à Segurança Social.

Hermínia Moreira, vereadora do pelouro de ação social da câmara municipal de Paredes, garantiu já que as 59 famílias sinalizadas vão receber o apoio do Estado para conseguirem reconstruir aquilo que o mau tempo, que se fez sentir na madrugada do dia 4 de janeiro, destruiu. “Estas 59 famílias sinalizadas foram alvo de visita domiciliária e comprovadamente necessitam de apoio de terceiros para refazerem e normalizarem a sua vida”, salientou a vereadora. 

No balanço do trabalho realizado pelas mais diversas entidades junto das famílias afetadas pela intempérie a vereadora da câmara municipal destacou ainda a importância das variadas ajudas que foram chegando às famílias e ao município de entidades públicas e privadas que foram “imprescindíveis” para a reconstrução das habitações destruídas.

“A autarquia recebeu um importante e imprescindível apoio por parte da câmara municipal de Torres Vedras que, em conjunto com uma empresa local, a Cerâmica Torreense, ofereceu e entregou 3 mil e 600 telhas para a reconstrução de habitações particulares e que foram distribuídas pelas juntas de freguesia”, referiu.

Esta oferta veio contemplar a aquisição de 20 mil telhas por parte da autarquia a esta mesma empresa de Torres Vedras, que as vendeu por um preço “muito inferior” ao valor que são comercializadas no mercado, informou a vereadora. Às famílias foram chegando também, ao longo do mês, diversos eletrodomésticos, desde fogões, frigoríficos, máquinas de lavar roupa, cilindros e esquentadores, adquiridos com a verba de 800 mil euros destinada à ação social e que a autarquia canalizou para ajudar as famílias afetadas pelo mau tempo.

No total foram entregues 50 eletrodomésticos, colchões, roupas e calçado e outros artigos para o lar, bem como bens alimentares. “Ao longo deste último mês o município fez um grande esforço para acudir aos problemas e situações mais urgentes, devolvendo alguma normalidade à vida destas pessoas, sobretudo àquelas que foram obrigadas a sair de suas casas”, reforçou Hermínia Moreira.

As casas pré-fabricadas, doadas pela Fundação Portugal Telecom, serão disponibilizadas durante este mês, onde serão realojadas de imediato quatro famílias.