Opinão de Juvenal Brandão, treinador de futebol

Tenho uma visão muito concreta sobre este tema. Pela experiência que fui acumulando ao longo dos anos: experiência própria e dos que a partilham comigo. Chego à conclusão que Portugal não quer e não sabe criar mais desportistas de topo. Portugal: o governo, os ministros, as escolas, os clubes de futebol (mas também nas outras modalidades), os dirigentes, os coordenadores e directores técnicos, etc..

Na minha opinião, é impossível que o talento seja suficiente para um jogador ser profissional de futebol de topo – para jogar ao mais alto nível. É preciso mais, muito mais. Essencialmente o quê? Conjugar a sério os estudos com o desporto a partir dos 13/14 anos. E vida de profissional entre os 16 e os 18 anos. Mas como? (…)

Pode ler este atrigo na integra na edição de 01 de fevereiro, em papel ou na edição eletrónica subcrevendo-a neste site.