Por Juvenal Brandão, Treinador de Futebol UEFA Pro (Grau IV), Licenciado em Gestão de Desporto

O Processo de Certificação de Entidades Formadoras da FPF, visto como de enorme importância, teve início em Janeiro de 2015, com o intuito de dar resposta à legislação prevista sobre esta matéria, Lei 28/98, de 26 de Junho (entretanto substituída pela Lei 54/2017, de 14 de Julho) – “Para efetuar o registo de Contratos de Formação Desportiva (CFD), na respetiva Federação, o Clube tem que obter a Certificação como Entidade Formadora.”.

Para além do imperativo legal, o processo assumiu desde o início o objetivo de avaliar, reconhecer e certificar a atividade de todas as Entidades que disponibilizam formação nas modalidades de futebol e futsal a jovens praticantes até aos 19 anos e, dessa forma, contribuir de forma decisiva para elevar os padrões de qualidade do processo de formação dos praticantes em Portugal. A FPF acompanha os clubes, através de reuniões, ações de formação e iniciativas individualizadas, no sentido de ajudar a que estas entidades formadoras ultrapassem as dificuldades que não lhes permitiram a certificação integral. Desta forma, o processo de certificação, mais do que um processo de verificação e fiscalização, é um instrumento da FPF visto como promotor do desenvolvimento do Futebol de Formação.

No início, este processo era apenas para clubes das competições profissionais, mas a partir da época 2018/2019, está aberto a todas as Entidades que disponibilizam atividade de futebol e/ou futsal para jovens até aos 19 anos, independentemente do seu enquadramento competitivo.

Num primeiro momento os clubes apenas eram (ou não) certificados. Agora o processo evoluiu e os clubes que são, têm avaliação específica, de 0 a 100 valores, ficando com avaliação final de 1 a 5 estrelas. A avaliação é feita durante a época desportiva e tem validade na época seguinte. Apenas as Entidades Formadoras com, pelo menos, 3 estrelas podem registar contratos de formação desportiva.

A certificação das entidades formadoras pela FPF assenta no cumprimento de 9 critérios e centenas de sub-critérios, os quais estão, detalhadamente, definidos num específico Manual de Certificação

Em todos estes critérios existem condições mínimas a cumprir pelas Entidades Formadoras. Por exemplo, são avaliadas questões como: que percentagem do orçamento do futebol sénior é investida no futebol de formação; existência de regulamento e normas internas; articulação entre futebol sénior e de formação; modelo de jogo adoptado; recursos humanos existentes e a sua formação; qualidade e quantidade das instalações; nº de atletas por escalão; acompanhamento escolar e psicológico; jogadores provenientes da Formação do Clube que integraram a equipa principal; proveitos com direitos económicos de jogadores provenientes do futebol de formação; jogadores nas Selecções Nacionais/Distritais; jogadores com jogos em Competições Profissionais, Nacionais ou Estrangeiras; carreira dual/enquadramento académico; entre tantas outras coisas.

Por estes dias foi divulgada a avaliação que entra em vigor para 2019/2020 e ficam aqui alguns exemplos: (…)

Leia Opinião completa de Juvenal Brandão na edição em papel de 05 de julho ou na edição eletrónica subscrevendo a assinatura digital no nosso site.