Tido como “o maior acontecimento político-cultural do país”, a Festa do Avente! conta com a presença da Organização Regional do Porto do PCP, anuncia a organização em comunicado. “Festa” decorre de 6 a 8 de setembro na Quinta d´Atalaia, no Seixal.

Publicado por António Orlando

O Vale do Sousa e Baixo Tâmega estará presente com um stand próprio, na Festa do Avante! “envolvendo dezenas de membros e amigos do PCP, divulgando as lutas e as tradições do seu concelho”.

No espaço da Organização Regional do Porto “não faltarão” as tradições gastronómicas e culturais de cada um dos concelhos, a animação, o debate, entre outros.

A EP – Entrada Permanente na Festa do Avante comprada antes de 5 de setembro tem o custo de 26 euros. A Organização do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP está a promover excursões com saída de Felgueiras, Amarante, Marco de Canaveses, Penafiel, Paredes, Paços de Ferreira, no dia 6 pelas 7h e regresso 8, com dormida em hotel e EP incluídos.

Com um amplo e diversificado programa nas áreas da música, do teatro, do desporto, do cinema, das artes plásticas, da gastronomia, entre muitas outras expressões que marcam a vida do povo português e dos povos em luta.

A Organização Regional do Porto do PCP estará presente na Festa do Avante! “afirmando aqueles que foram os avanços alcançados nesta legislatura” designadamente “valorizar o que a população do distrito ganhou, com a ação e a intervenção do PCP. São apontados como exemplos os passes sociais, a reversão da privatização “de importantes” serviços públicos, “o aumento dos salários e das pensões, a reforma antecipada para os trabalhadores das pedreiras num dos distritos que apresenta os mais altos níveis de pobreza, os manuais escolares gratuitos, entre muitas outras conquistas”, pode ler-se.

“E se afirmar o que foi conquistado não é aspeto menor”, ressalva a fonte do PCP, estará em destaque este ano na Festa do Avante! aquilo que tem de ser feito para melhorar as condições das populações” : “Avançar em melhores serviços públicos, Avançar com o desenvolvimento económico da região, aproveitando as suas potencialidades produtivas, a floresta, o mar, o seu imenso património cultural; Avançar nas políticas públicas de habitação; Avançar nos transportes; Avançar com a Regionalização e um verdadeiro processo de descentralização, a reposição das freguesias e um desenvolvimento harmonioso entre o litoral e o interior” , conclui a fonte comunista.