Sara Moreira, uma jovem de 19 anos, faleceu em janeiro de 2013, com um tumor não diagnosticado em Penafiel.

Os quatro médicos acusados da morte da jovem foram hoje a tribunal e apesar de o juiz entender que os médicos realizaram “um erro de diagnóstico” decidiu não os condenar visto não ter ocorrido nenhum crime doloso e os clínicos não terem agido com intenção de provocar a morte da jovem.

Entre 2010 e 2013, a jovem recorreu aos serviços de urgência do hospital Padre Américo, em Penafiel queixando-se de fortes dores de cabeça, vómitos e perdas de consciência e em nenhum momento, os médicos realizaram o diagnóstico correto e em momento algum pediram para a utente realizar exames de diagnóstico complementares que permitissem detetar o tumor.