Por Paulo Silva, professor

Este artigo, vai ser publicado precisamente a uma semana de eleições, sendo eu candidato nas listas do Partido Socialista, entendo que mais do que analisar a situação do concelho que por todos bem conhecida, devo falar sobre a importância do voto nestas eleições e apelar aos caros leitores para que dia 1 de Outubro não fiquem em casa e participem votando nestas eleições. Ouvimos muitas vezes dizer que em democracia, o voto é a voz do povo e estas eleições ocorrem num momento de particular exigência. A situação económica do município é desastrosas, as carências são muitas e por isso, nunca é demais sublinhar, que é decisivo em cada eleição estar disponível para fazer escolhas, mas nas eleições autárquicas essa disponibilidade é ainda maior.

Nestas eleições elegemos, os governantes de proximidade, aqueles que governam o destino das nossas Freguesias e Câmaras Municipais, nestas eleições mais importante que os Partidos, são as pessoas que constituem as equipas candidatas e os seus compromissos.

Em democracia, o momento do voto é, porventura, o mais nobre e mais livre de todos os momentos. O Voto é secreto, aos cidadãos, é preciso recordar que devem estar atentos à apresentação de propostas políticas alternativas que se traduzam em propostas viáveis, chega de falsas promessas e ilusões. As alternativas existem e a abstenção, o ficar em casa não são a melhor forma de se pronunciar.

Abster-se significa abdicar dos seus direitos e demitir-se de uma escolha (…)

Leia o artigo de opinião completo na edição em papel de 27 de setembro ou na edição eletrónica subscrevendo a assinatura digital no nosso site.